Brincando com as “…-idades”

 

 

          
         
  Hoje como tema proposto pelo professor, vou falar sobre Peirce (a famosa piadinha: O quê? Piercing? –  Nããão!!! P-E-I-R-C-E)

           Charles Sanders Peirce foi o homem que nos deu a noção de signo, que não tem nada a ver com os elementos do zodíaco, como diz a astrologia. Para ele, Signo é algo que representa alguma coisa para alguém, sob determinado prisma.  

           Signos são categorias universais, por exemplo, todo mundo ao ver uma flor, ou ao ver escrita a palavra FLOR, sabe o que a imagem ou palavra representa, já está no subconsciente de todo mundo que flor é flor, não importa o modo como nos seja apresentada.

            Porém ao vermos signos diferentes dos que estamos acostumados, estes podem nos produzir impactos diferenciados, ou seja, cada pessoa pode interpretar um signo novo de um modo, fazendo alguma relação com algo que já tenha visto alguma vez em sua vida.

            E é neste processo de contemplação de um novo signo que o Sr. Peirce nos traz os conceitos de Primeiridade, Secundidade e Terceiridade, que são as etapas pelas quais passamos quando estamos fazendo o reconhecimento de um novo signo – lembrando que elas podem ocorrer em centésimos de segundos! Para deixar mais claro vou usar a foto acima (retirada do flickr.com) para ajudar a entender:

            Primeiridade: é totalmente sensitiva, onde você vê mas não entende, apenas sente. Caracteriza fenômenos individuais, é totalmente emocional onde os sentimentos e as qualidades puras se localizam. A criatividade se encontra na primeiridade, os artistas tentam à todo tempo transmitir somente sensações.

            Secundidade: é a reação, resposta, o reconhecimento da sensação tida na primeiridade, assim se conhece os eventos, o objeto que se vê, um fato, ou as mudanças que ocorreram neles (troca de estado, troca de posição…)

            E finalmente, a Terceiridade (que não tem nada a ver com a 3ª idade – idade dos velhinhos): Ela é a Representação. É quando se nomeia o que é a coisa que se viu, sentiu. É a ponte entre os dois primeiros acontecimentos. A terceiridade é totalmente racional, nela predominam a continuidade e a generalidade. A criação de leis está na terceiridade.

            A foto que escolhi me causou em certo estranhamento por suas cores e formas (primeiridade) e após observa-lá percebi que perto do canto esquerdo superior há como se fosse um desenho de um rostinho meio de lado me observando, inclusive ele tem até um topete meio caído na testa, e não está com cara de triste. (hahaha ta bom, eu sei que as vezes “viajo” com a minha mentalidade). Mas após observar mais um pouquinho percebi do que a foto se tratava (secundidade); vi que a foto é do interior de duas flores (não sei de qual espécie) e que o rostinho que eu achei que estava me olhando era uma antera da flor, tipo aquelas anteninhas que algumas flores têm dentro, sabem? (terceiridade)

Muito legal ficar brincando de tentar achar significados nas imagens, passando pela 1ªidade, 2ªidade e 3ªidade, não é?

            E então, alguém mais viu o que eu vi? Ou viu coisas diferentes das que eu vi nesta foto?

           

* “…-idades” se refere à abreviação: 1ª idade, 2ª idade e 3ª
idade.

Categorias: Posts sobre as aulas

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s