A era hipermidiática…

 

Hipertexto, Hipermídia… o quê são essas coisas?

 

            Muito estranho ouvir falar sobre essas palavras estranhas que muitos de nós não conhecemos, mas hipertexto e hipermídia são o local e a maneira do ser humano se expressar através dos meios digitais. E pra ninguém ficar perdido lendo o meu post, vou dar uma explicadinha no que quer dizer essas palavras tão esquisitas.

            Hipertexto hoje em dia tem uma conotação necessariamente virtual, é o conteúdo, ou seja, é onde a hipermídia está inserida na Internet, pode ser um site, um blog, um jogo…é tudo o que está contido na Internet. Nele há leitura não-linear, interatividade e muito mais informações não verbais do que seria possível haver no meio impresso. Mas quem acha que a idéia de hipertexto nasceu com a Internet se engana, as primeiras idéias hipertextuais ocorreram há muito tempo, nos século XVI e XVII, por meio de manuscritos e marginalia. Os manuscritos quando eram transcritos sofriam alterações, se tornando uma espécie de escrita coletiva, e a Marginalia eram as anotações que os leitores faziam nas bordas dos livros quando os liam, permitindo a quem fosse ler posteriormente uma leitura não linear.  

            E foi com Vannevar Bush que houve a primeira noção de hipertexto, ele criticava os sistemas de armazenamento de sua época: todos lineares, hierárquicos, onde as pessoas sempre tinham que seguir uma ordem lógica pra se chegar ao que procuravam. E ele não se conformava com isso, pois o cérebro humano não funciona de forma linear; nós nos lembramos das coisas por associações, e então, Bush em 1945, fez um ensaio onde descreveu o dispositivo Memex, que quebraria essa linearidade, as regras de tudo sempre seguir uma ordem, e teria mais interatividade.

Nas ilustrações de como seria o Memex, havia por exemplo, uma câmera presa à cabeça do cientista enquanto ele realizava suas experiências, uma máquina de escrever que tinha reconhecimento pela voz do dono, e que também lia. O dispositivo foi construído e é visto até hoje como um dos precursores da web, e foi a partir daí que a web foi surgindo, e chegando ao que se conhece hoje.

A forma de linguagem utilizada no hipertexto é a hipermídia, usada ( somente nos meios digitais) para se expressar o que deseja, pode ser uma imagem parada ou em movimento, gráficos, animações, vídeos, efeitos sonoros, fala, texto ou interatividade, o importante é que ela é uma linguagem não-linear.

 

Temos um exemplo bem claro dessa nova cultura da linguagem nos filmes Matrix, que é em sua história uma hipermídia, pois se passa dentro do computador, com humanos interagindo mais que nunca com a máquina. O filme que contém em si a fusão de textos, imagens e sons, que trazem efeitos totalmente novos para o público e que marcaram no cinema. Um bom exemplo desses efeitos são os projéteis se deslocando em câmera lenta por entre as ondas, a trilogia Matrix surpreendeu, pois entrou no não-usual, na não-linearidade, trazendo para o público a expectativa e logo depois nos mostrando algo que não imaginávamos que ia acontecer, fazendo com que nós pudéssemos sentir o que sua filosofia explora no filme e nos deseja passar: a realidade e a ilusão no nosso cotidiano.

            O filme consegue unir diversos aspectos presentes no nosso cotidiano como: filosofia, religião, informática, filmes de ficção cientifica, e literatura, e o que é mais interessante, ele não se passa somente nos cinemas, há uma interatividade muito interessante com o público, pois além de ter sua trilogia contada em 3 filmes, que exigem que o público os assista para saber a continuação e como a história termina, Matrix ainda tem como outras formas de interação histórias em quadrinhos (lançadas somente nos EUA), 9 desenhos animados chamados “Animatrix”, e o jogo “Enter the Matrix” (que completa a história do filme Matrix Reloaded).

            É a história do filme Matrix nos fazendo caminhar para dentro da filosofia Matrix, onde cada vez mais o ser humano está dentro do sistema, interagindo com ele, vivendo nele, onde não há linearidade, não há uma ordem a ser seguida; futuro e presente se fundem, e onde tudo pode ser real, incluive  a ordem!!! Ou o caos…

Categorias: Posts sobre as aulas

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s